Comunicados

Comunicado do Presidente dos Governadores dos Bancos Centrais do Grupo dos Dez (G10)

Banco de Pagamentos Internacionais, 10 de maio de 2000
(atualizado)

Na reunião de 8 de maio de 2000, em Basileia, os Governadores dos bancos centrais do G10 analisaram os problemas associados ao uso de computadores pessoais na contrafação de notas.

Em resposta à ameaça que a utilização crescente de computadores pessoais e ferramentas de digitalização de imagens representa, os Governadores concederam autorização a um grupo de bancos centrais, o CBCDG (Central Bank Counterfeit Deterrence Group), para desenvolver um sistema de dissuasão de contrafação por computador.

O CBCDG e os seus representantes começaram por solicitar o apoio do setor e por cooperar com os fabricantes e engenheiros de software com o objetivo de promover a adoção do sistema. Os Governadores aprovam plenamente estes esforços e apelam ao setor que apoie ativamente a utilização deste sistema.

Bancos centrais e indústria de tecnologias de informação unidos no combate à contrafação de notas

Banco de Pagamentos Internacionais, 9 de março de 2004
(atualizado)

Em resposta à ameaça que a utilização crescente de computadores pessoais e ferramentas de digitalização de imagens representa, os Governadores dos bancos centrais do G10 deram, em maio de 2000, o seu aval ao desenvolvimento de um sistema de dissuasão de contrafação por computador, que ficaria a cargo de um grupo de bancos centrais. Na reunião de março de 2004, os Governadores tomaram nota dos progressos significativos alcançados neste domínio.

O Central Bank Counterfeit Deterrence Group (CBCDG) desenvolveu entretanto o Sistema de Dissuasão de Contrafação (Counterfeit Deterrence System - CDS), que consiste num conjunto de tecnologias anticontrafação que visam impedir os computadores pessoais e as ferramentas de digitalização de imagens de captarem e reproduzirem imagens de notas protegidas.

Alguns dos maiores fabricantes da indústria de hardware e software para computadores pessoais adotaram voluntariamente o sistema por constatarem que a contrafação de notas pode acarretar prejuízos para os seus clientes e para o público em geral. A tecnologia desenvolvida não tem capacidade para detetar e localizar os utilizadores de um computador pessoal ou de uma ferramenta de digitalização de imagens e para os consumidores não será percetível qualquer diferença no desempenho ou na eficiência dos dispositivos equipados com esta tecnologia.

O sítio www.rulesforuse.org disponibiliza mais informação e inclui ligações às regulamentações, vigentes em diversos países, que regem a reprodução de notas de banco. Nos países em que a nova tecnologia restringe a possibilidade de o utilizador reproduzir imagens de notas, os respetivos bancos centrais (ou as autoridades competentes) disponibilizarão imagens de notas para efeitos de reprodução, em conformidade com os requisitos aplicáveis. O referido sítio indica aos utilizadores quais os países onde poderão encontrar os procedimentos e onde são disponibilizadas as imagens de notas.

O que é o CBCDG?

O CBCDG é um grupo de trabalho constituído por numerosos bancos centrais e entidades envolvidas na produção de notas. Tem como missão investigar possíveis ameaças à segurança das notas e propor soluções que possam ser implementadas pelas autoridades emissoras.